São Borja
Quinta-feira 19 de Abril de 2018


RS tem dois casos suspeitos notificados de febre amarela em 2018

Em 2018, o Rio Grande do Sul registrou dois casos suspeitos notificados de febre amarela no estado. Segundo informou nesta sexta-feira (26) a Secretaria Estadual da Saúde, um foi na cidade de Dois Irmãos e outro em Portão. No entanto, ainda não houve confirmação da doença.

O secretário João Gabbardo dos Reis ressaltou a importância das pessoas se vacinarem, em função da circulação da febre amarela em estados como São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia.

Até o momento, mais de 70% da população gaúcha já recebeu a imunização contra o vírus através da vacina. Foram distribuídas mais de 106 mil doses, o que representa um acréscimo de 20% em relação a janeiro de 2017. Ainda conforme o governo, não serão aplicadas doses fracionadas, como ocorre em São Paulo.

Ao longo do ano passado, foram notificados 42 casos suspeitos de febre amarela no estado, todos com resultado negativo. Desde 2009, o Rio Grande do Sul não registra confirmações da doença. Em áreas urbanas, a circulação não ocorre desde 1942.

Também não há registros de febre amarela em macacos. Somente no ano passado foram coletadas amostras de 50 animais mortos em área silvestre. Destes, 45 foram descartados, mas cinco ainda seguem em investigação.

De 2009 a 2016, já foram analisadas amostras de 81 primatas mortos, e todas apresentaram resultado negativo.

A presença desses animais é a principal forma de perceber a chegada da febre amarela, antes dela atingir as pessoas. Os animais não transmitem a doença. Quem transmite a febre amarela é o mosquito Haemagogus.

Por isso, também é preciso proteger os macacos, já que são considerados sentinelas e um alarme para a ocorrência do vírus.

Desde 1999, a vacina contra a febre amarela consta no calendário nacional de imunizações do Ministério da Saúde para pessoas de 9 meses de vida a 59 anos. A partir dos 60 é necessário atestado médico, o que também vale para grávidas e pessoas com doenças de imunidade.

 

Dengue, Chikungunya e Zika

Também nesta sexta-feira (26), foi divulgado o boletim sobre dengue, febre chikungunya e vírus da zika. Os dados abrangem as três primeiras semanas do ano.

Foram 71 casos suspeitos notificados de dengue, nenhum confirmado e oito já descartados. Febre chikungunya e vírus da zika não tiveram registros confirmados.

 

Fonte: G1/Rádio Cidade AS

 

Foto: Reprodução