São Borja
Segunda-feira 11 de Dezembro de 2017


Iceberg que se desprendeu da Antártida é "preocupante", dizem cientistas

Barreira de gelo tem área de 5,8 mil quilômetros quadrados e pesa 1 trilhão de toneladas

Cientistas australianos descreveram, nessa quinta-feira, a ruptura de um iceberg de 1 trilhão de toneladas da Antártida como "profundamente preocupante". As informações são da Xinhua.

Estudiosos do Reino Unido confirmaram, na quarta-feira que a enorme barreira de gelo Larsen C, com área de 5,8 mil quilômetros quadrados, separou-se da Antártida entre 10 e 12 de julho. Trata-se do terceiro episódio na parte Antártida que fica mais próxima da América do Sul, depois que as barreiras de gelo Larsen A e B entraram em colapso em 1995 e 2002, respectivamente.

Nathan Bindoff, chefe do Programa Oceanos e Criosfera do Instituto de Estudos Marinhos e Antárticos (IMAS), disse que a ruptura aceleraria o afinamento do gelo na Antártida, o que significa que mais rupturas são iminentes. "Os grandes icebergs que se separam das principais barreiras de gelo são um componente crítico da história da Antártida", disse Bindoff em uma declaração nesta quinta-feira.

"As barreiras de gelo reforçam a camada de congelada da Antártida e diminuem a taxa de perda de gelo na região. Portanto, um grande iceberg como este significa que veremos uma aceleração das geleiras aterradas atrás da barreira de gelo Larsen C. "Surpreendentemente, essa aceleração das geleiras contribuirá para o aumento do nível do mar nos próximos anos. Vimos precisamente esse efeito no nível do mar quando a barreira de gelo Larsen B se separou".

Apesar do colapso ser um processo natural, Ian Simmonds, professor da Faculdade de Ciências da Terra da Universidade de Melbourne, disse que o aquecimento global causado pelo homem acelerou o processo. "A ruptura deste enorme iceberg da barreira de gelo Larsen C é profundamente preocupante. Isso ocorre após o colapso de uma parte da barreira de gelo Larsen B em fevereiro de 2002", disse Simmonds.

"As causas dessas rupturas são semelhantes. As temperaturas aumentaram drasticamente na região ao longo das últimas décadas. Isso significa que as temperaturas do verão ficam agora geralmente acima do ponto de congelamento, e o derretimento da superfície enfraquece significativamente as barreiras de gelo".

 Fonte: Correio do Povo/Foto: John Sonntag / Nasa / AFP / CP