São Borja
Domingo 18 de Fevereiro de 2018


Mistura de sotaques e animação marcam carnaval na fronteira do RS com a Argentina

Paso de los Libres, na Argentina e Uruguaiana, no Brasil, compartilham alegria, festa, tradição e muito samba no pé.

O ritmo do carnaval não tem fronteiras. Pelo menos a tradicional festa da integração em Paso de los Libres, na província argentina de Corrientes, fronteira com a cidade gaúcha de Uruguaiana, no Oeste do estado, mistura sotaques e reúne foliões dos dois países.

Uma festa colorida, animada e com samba no pé. Mesmo não sendo no Brasil, a tradição por lá não deixa a desejar. As três escolas de samba que entram na avenida compartilham muito brilho e animação. Ao todo são mais de um mil integrantes.

É o caso da passista Agustina Monti Herrera que traz de herença da mãe o amor pelo carnaval. "A verdade é que o ensaio, o show, a alma, a mente e os pés… é de nascimento graças a minha mãe", comenta Agustina.

O território é argentino, mas Paso de los Libres tá pertinho do Brasil. A influência da festa brasileira move o povo. Vários brasileiros trabalham aqui pra garantir o melhor carnaval.

Toda a comissão de frente de uma das escolas veio do Brasil. "Nós temos o carnaval na veia da gente, nós nascemos com o carnaval, então a fronteira pra nós é uma coisa só", explica a coreógrafa Cristina Fernandes.

"Carnaval é uma festa de integração, Paso de los Libres tá trazendo muito da festa de Uruguaiana", diz João Ramón, presidente da escola.

Em Passo de los Libres as escolas também são avaliadas e o jurado é composto por brasileiros. "O argentino não tem aquela ginga brasileira, do samba, mas tem toda uma peculiaridade que o carnaval aqui a disputa é muito acirrada", observa o jurado Sílvio carvalho.

Cerca de 6 mil pessoas assitem ao desfile, entre argentinos e brasileiros. Tem gente que vem de longe, como o funcionário público Nicolás Lemes.

"Vim pelo Ushuaia, Terra do Fogo, foram 5.500 quilômetros, só pra ver carnaval, e vale a pena!”, ressaltou Nicolás. Já para a secretária de escola Claudia Lemes, quando questionada se o carnaval argentino é melhor que o do Brasil, responde: "Ah, Brasil, eu vejo pela televisão, o do Rio, de São Paulo. Algum dia ainda vou ver".

Já pra Sofia Currius Segabinazzi, filha de argentina e brasileiro, o melhor carnaval é o dos “hermanos”. "Eu me criei aqui, então pra mim o carnaval daqui é, pra mim, mais que o carnaval de lá", destaca a estudante.

 

Fonte: G1/RS

 

Foto: Reprodução/RBS TV